quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Carta Para Alguém Que Se Foi

E apesar de tantos pesares, queria eu te dizer que tudo tem ido bem.

Estranha essa coisa que a existência tem de nos dar e tirar, ceder e pegar de volta, tanto "toma" e "me dá" em uma mesma vida, só para mostrar que nada é eterno. Mas confesso que ainda não me acostumei...

Ainda não acostumei com essa ausência, com esse nada, com esse infinito, esse buraco negro de choros compulsivos, perguntas sem respostas, de chamar seu nome sem ouvir nada de volta... Resumindo: Ainda não me acostumei com você ter ido.

A verdade é que depois que você foi tudo ficou sem cor. As coisas meio sem graça, sem razão, sem porque, sem sentido... Sem você.

Por quantas e quantas vezes já esqueci e pensei em correr pra te contar algo. Talvez uma história boba, uma situação que você também já viveu, uma piada que adoraria ouvir... Mas infelizmente não posso mais. Pensar no tempo que demorarei a fazer tudo isso com você novamente me apavora. Confesso que esse é o exato momento em que desabo.

Posso parecer forte para o mundo, mas ninguém sabe a falta que eu sinto sua todo santo dia, desde que abro os olhos e lembro que não foi um sonho ruim e que realmente você não tá aqui,  até a hora que durmo e rezo pra matar a saudade em algum sonho sem sentido.

O pior disso é ver que todo mundo estava errado. Disseram que eu ia me acostumar com a falta, mas cada vez sinto mais. Disseram que ia melhorar com o tempo, mas com o tempo só piora, disseram que ia doer menos, mas a dor só aumenta. Até quando vão continuar mentindo pra mim?

Seria até cômico se não fosse trágico essa relação de saudade x tempo.  Cada dia que passa me faz sentir você mais longe, e cada vez  que sinto você mais longe, faz eu sentir mais falta, daqui a pouco eu já não sei se continuarei sendo eu, ou apenas um pedaço de falta sua que anda sozinho, vagando por aí.

Morro de medo de tanta coisa sabe? De que minhas crenças não estejam certas e o "a gente" acabou de vez, de esquecer seu rosto e ter que me lembrar de você através de fotografias. E se todas se forem? E se não sobrar mais nenhuma no mundo? Como vou fazer pra lembrar-me de você?

Sim, eu sei que tenho que seguir. Não me sobrou mais nada a não ser acordar, lavar o rosto com a cara diária de choro e fazer o melhor com o pouco que me restou... É fácil pro mundo julgar, dizer que eu tenho que continuar, que superar, sem ao menos saber que não existe mais ninguém no mundo como você, como nós... 

Às vezes eu juro que não aguento todo esse peso nas minhas costas. Por quantas e quantas vezes eu já me perguntei o por que disso tudo, cadê o tal “plano maior”,  a razão e motivo pra ter tirado você de mim. Por que não pôde ficar um pouquinho mais, tipo pra sempre? Cadê o escrever certo de Deus? Só vejo o torto na minha frente, cada vez mais torto, cada vez mais triste, cada vez mais sozinho, cada vez menos eu...

Renato Russo estava certo quando dizia que: “Se fosse só sentir saudade,  mas tem sempre algo mais...” Sim, sempre tem... Sempre haverá um lugar que você não foi, uma coisa que eu não te disse, um conselho que eu não ouvirei, alguém que você não vai conhecer, uma piada que você não vai contar, um desabafo que não saberá, uma carta que não te entregarei, um eu te amo que não ouvirá...


Porque, quer saber a verdade? 

Não, eu não tenho ido nada bem...

Um comentário:

Cleiton disse...

Belo texto! belíssimo.